Estava lendo um post no blog da minha amiga Larissa sobre o Last.fm começar a cobrar, somente certos países, para ouvirem suas rádios.

E isso me fez lembrar muitas questões relacionadas a Musica+Internet.

Essa questão de músicas online ainda terá muitas e muitas discussões.

Assim como filmes, e tudo mais que tenha direitos autorais. Mas filmes são outra história, que envolvem Torrents e a atual briga do Piratebay. Outro dia falo sobre isso! =]

As gravadoras e os músicos conservadores, só tem de descobrir o “Creative Commons” e se acostumarem com ele.

O que é CC?
Assim como existe o software livre, aquele que pode ser copiado, modificado e redistribuído livremente (sob as 4 liberdades básicas definidas pela FSF), nas suas mais diversas licenças, em 2001 surgiu um conceito análogo, mas para outras formas de criação que não o software: o Creative Commons (daqui em diante, referido como CC). Ele garante, ao mesmo tempo que mantém os direitos autorais (ou seja, ninguém pode pegar o trabalho de alguém e simplesmente tomar posse) e um conjunto de direitos definido pelo autor (ele pode, por exemplo, optar se permite o uso comercial), permite a colaboração, a troca de ideias. É o chamado copyleft, um meio-termo entre os todos os direitos reservados (copyright) e o nenhum direito reservado (domínio público) A partir da ideia do CC, surgiram projetos como o Science Commons, que visa desenvolver, abertamente, estratégias de pesquisa científica e ferramentas para facilitar a colaboração e a interação entre cientistas.
Fonte:Blog Liberdade Gráfica

Esse vídeo foi feito há alguns anos atrás (se eu não me engano 2005 ou 2006) e explica exatamente o que se trata o CC.



Com o “CC” você pode copiar, distribuir, exibir e executar a obra ou criar obras derivadas, com a condição de dar crédito ao autor original, da forma especificada pelo autor ou licenciante. Para mais detalhes sobre isso entre no site do Creative Commons BR e a licensa de aprovação.


A internet é feita disso. De troca, de comunidade. Uma coisa que nenhuma sociedade mundial, conseguiu na história REALMENTE colocar em prática.

Esse é um “mundo” que o homem criou. Uma utopia de liberdade que sempre existiu, mas que ao mesmo tempo, não consegue controlar.

Mas quer controlar. Essa idéia de que sua idéia será roubada pelo outro, e o medo que as pessoas tem de perderem a autoria de seus feitos, faz com que as pessoas não consigam aceitar plenamente essa ideia de Creative Commons.

Será que algum dia, isso será possível?

3 comentários:

Fábio disse...

A internet é mo troca troca.
Na internet vc acessa e é acessado.
Comentam em vc e vc comenta nos outros.
É mow loucura.

De qualquer forma creative commons pra música eh algo meio dificil de se implantar.
Interesse de gravadoras e acionistas e do cramulhão que fez a banda ter talento. Não sei tem mta gente montada na grana que tá afim de acabar com a festa da galera do cd virgem

Thiago Moskito disse...

Antes de ver os créditos, já sabia que quem narra o vídeo é o Briggs. Bacana!

- Gµ† - disse...

@Fabio: Vamos ver! Espero que não seja dificil! =]

@Moskito: O Briggs é o cara! =D hahuahuauhauh